13 setembro a 15 setembro de 2022 | 21h00

A busca do som. Chegamos a uma certa altura da vida que a busca dos sons para fazer discos começa a ser pouco produtiva. Nada nos enche. Nada nos diz... Um novo som é uma folha em branco. É a partir de ali que tudo se desenha.
Dos estímulos que menos esperamos saem respostas. Como o filme “A Grande Belleza” de Paolo Sorrentino que começa com um coro de nove vozes, que alimentam os quotidianos de tantas vidas.
Como se as vozes conduzissem a banda sonora daquilo que fazemos, daquilo que somos... E se a raiz desse som que buscamos fosse o ser humano... A voz. As vozes.
A folha em branco encontrada. Um coro de um lado, ou no núcleo da folha... As múltiplas vozes dão a forma, o conteúdo, a mensagem. A outra voz, da Sónia por cima de tudo. As letras em Português.
As vozes que fazem melodia, harmonia e ritmo e que dizem palavras. Carregam e elevam o sentido de cada frase...
A vida é feita de contrastes, de coisas certas e erradas, de momentos bons e maus, de dias e noites. . .
E depois do veludo da parte humana, o contraste... O áspero da eletrónica. Crua, rude, cruel.
O Coral nasce deste encontro. Desta folha em branco que sempre foi a busca do som. O disco saiu sem aviso. Saiu-nos de dentro. Não estávamos à espera. O músico de hoje tem de seguir instintos, mas sobretudo respeitar os impulsos. Nada se organiza com tempo. As coisas saem. Ou se aproveitam, ou não. A digressão deste Coral é um desses momentos. Únicos, que nos saem de dentro sem aviso... O nosso impulso, fazer os concertos certos, nos locais certos. Será sobretudo por respeito àquilo que não se prevê, os nossos impulsos. Ou se aproveita ou não. Por detrás da cortina de cada teatro e auditório,
um coro que enche o palco, e os Gift. Uns agarrados às letras, outros agarrados ao laboratório rude da eletrónica. Coral ao vivo é sobretudo uma celebração. Da vida. Do impulso. De estarmos ainda aqui a seguir aquilo que não se vê, o nosso instinto.

 

 

::::::

 

Público geral | 80min | M/6 | 12 €

 

::::::